Hipnoterapia

A Hipnoterapia e suas possibilidades

A Hipnoterapia é o trabalho terapêutico vivenciado através da hipnose. São utilizadas técnicas e instrumentos necessárias para que o indivíduo busque por ele mesmo, ou com a ajuda do terapeuta, a solução para diferentes problemas.
É importante lembrar que não existe apenas uma forma de hipnoterapia. E normalmente cada hipnoterapeuta já vem de uma linha teórica da Psicologia, usando a Hipnose segundo esta forma de compreensão do Ser Humano. Assim, cada processo terapêutico será diferente e os resultados deste também serão diferentes.
Na hipnoterapia, vários são os fenômenos que o paciente pode experienciar em estados hipnóticos ou de transe, podendo levá-lo a ter diferentes aprendizagens e pensamentos. Os fenômenos aqui expostos tem como método, conceitos nascidos da Hipnoterapia Educativa. São eles:

– Regressão de idade : reviver o passado como se fosse presente. Por exemplo, o indivíduo regredido aos 6 anos de idade agirá como tal, no comportamento, no gestual, na voz, na compreensão de si e do mundo, e outros processos característicos dessa idade.

– Amnésia Estruturada: esquecer fatos passados. Esta deve ser feita de uma forma estruturada, ou seja, coisas específicas dentro de um contexto terapêutico para o paciente.

– Hipermnésia: lembrar de fatos do passado de uma forma muito clara. O indivíduo sabe que não está regredido, mas sim lembrando-se do passado. Porém, é possível ter os mesmos pensamentos e sentimentos daquela época de uma forma bastante intensa.

– Catalepsia: Os músculos do corpo ficam enrijecidos durante o estado de hipnose, porém não existe a fadiga dos mesmos.

– Movimentos “Alavancados”: São movimentos pausados, e na maioria das vezes lentos. Como se o indivíduo estivesse levando pequenos choques. É o caso da levitação da mão.

– Escrita Automática: Dois raciocínios acontecendo ao mesmo tempo. O indivíduo pode estar falando sobre seu último trabalho e escrevendo uma poesia sobre sua infância.

– Signo-sinal: São comandos associados aos estados de transe e hipnose, como uma palavra ou frase dita ao paciente durante o transe. São usados normalmente para facilitar cada uma das próximas sessões, acelerando o processo de indução.

– Dissociação de elementos: Dois elementos que antes estavam ligados agora deixam de estar. Por exemplo: um indivíduo que associa um elevador ao medo de lugares fechados, depois da dissociação, não perceberá a ligação que antes existia.

– Duplicação de sistemas de raciocínio: Duas formas de pensar acontecendo ao mesmo tempo. O indivíduo pode estar na cadeira de um dentista e ao mesmo tempo achar que está passeando com um amigo no parque.

– Sugestão pré-hipnótica: É estabelecida formas de pensar anterior ao estado de hipnose, que se manifestará quando o processo desta ocorrer.

– Sugestão pós-hipnótica: É estabelecia formas de pensar que terão efeito depois do processo de hipnose.

– Sobre si : Autopercepção, como cada um pensa em relação a si mesmo.

– Alucinação positiva: Uma forma de pensar onde o indivíduo vê, tem sensações táteis, ouve, sente cheiros ou tem a gustação de algo que não existe.

– Alucinação negativa: Uma forma de pensar onde o indivíduo não vê, não tem sensações táteis, não ouve, não sente cheiros ou não tem a gustação de algo que existe.

– Anestesia: Parada por completo de estímulos táteis. Usado normalmente em consultórios odontológicos ou na sala de cirurgia de médicos. Também pode ser usado no processo terapêutico.

– Analgesia: Diminuição considerável dos estímulos táteis. Como um amortecimento causado por exemplo pelo gelo, quando em contato com a pele por um certo período.

– Hiperestesia: A sensibilidade tátil é potencializada. O indivíduo tem seus estímulos aguçados.

– Progressão de idade: O indivíduo pensa estar num futuro, porém não sabe que é futuro, a partir disso seus pensamentos o levam a crer que está no presente, que está vivendo aquele momento. Pode-se passar por uma situação ANTES dela acontecer, e assim saber quais serão as reações quando isso tornar-se realidade.

– Pseudo-orientação no futuro: O indivíduo pensa o futuro, sabendo que é apenas uma projeção, e através dos cinco sentidos pode pensar e dar formas a situações que irá passar.

– Expansão da noção de tempo: Tem-se a impressão de que passou um tempo muito maior do que realmente passou. No momento em que estamos altamente focados em algo, isso é comum acontecer.

– Condensação da noção de tempo: A impressão agora é de ter passado menos tempo do que realmente passou. Isso pode ser facilmente percebido nos sonhos, temos a impressão de ter passado horas ou mesmo dias, quando na verdade foram segundos.

Nota: Estas experiências são diferentes para cada indivíduo, podendo ou não apresentar tais fenômenos. Em alguns casos a intensidade poderá ser maior ou até mesmo, menor. Isso dependerá da sensibilidade e percepção do hipnoterapeuta, em verificar quais fenômenos serão melhor apresentados por cada paciente, podendo portanto ter um melhor resultado terapêutico.

Odair J. Comin
Psicólogo Clínico, Especialista em
Hipnoterapia e Escritor.

You Might Also Like