Hipnoterapia

Hipnose e o Mito do Controle da Mente

Controle da Mente

A palavra hipnose foi criada por James Bread no século 18. A raiz da palavra tem origem no grego, Hypnos deus do sono. Portanto, inicialmente a hipnose era considerada semelhante ao sono. Mesmo na antiga Grécia e início da era cristã, usava-se o termo “sono de incubação”, para definir os possíveis estados de transe onde eram operadas diferentes curas. Durante séculos, a hipnose foi associada às curas, porém com outros nomes.

Logo depois de criar o termo hipnose, Bread arrependeu-se, pois descobriu que este é um estado muito diferente do dormir. Antes sim, um fenômeno da mente alcançado pela sugestão. Por isso ficou conhecida como um estado em que o hipnotizador está no controle da situação, e o hipnotizado sob o controle dele.

Estando a hipnose associada ao controle, isso dá ao hipnoterapeuta um poder que muitas vezes vai além dos princípios morais. Alguém que pode dominar, e entrar na mente das pessoas. Esse conceito nasceu da forma considerada clássica de ver a hipnose, onde o hipnoterapeuta se coloca como “superior”, acima do paciente. Esta postura era considerada correta nos séculos 18 e 19 e mesmo início do século 20.

Veja também: Você tem Medo Novo? Faça o Teste

Hipnose com Novo Conceito

Com o desenvolvimento da hipnose moderna por Milton H. Erickson (1901 – 1979), esse conceito ganhou uma nova roupagem. Erickson desenvolveu uma forma mais elegante de fazer hipnose, uma psicoterapia sob medida para cada paciente. Levando em consideração sua realidade individual. Buscando através de uma comunicação eficiente, novas aprendizagens e a consequente mudança, da qual o próprio paciente faz parte.

Inversamente ao que se acreditava no passado, sob à luz de modernos conceitos de hipnose e transe, podemos concluir que não há talvez, um momento em que o indivíduo tenha mais controle de si mesmo do que em estados de transe e hipnose.

Veja também: Hipnose no combate à obesidade

O transe é um estado em que a atividade psíquica recebe um direcionamento específico e intensificado. Portanto, é um momento em que o paciente está com seus 5 sentidos mais aguçados, tanto que desenvolve os fenômenos da hipnose. Pela intensificação dos seus sentidos é que podemos dizer que o paciente tem um controle maior sobre si mesmo. Tem a possibilidade, de tanto com a comunicação do hipnoterapeuta como a própria comunicação articular novas formas de pensar e sentir, levando-se à novas aprendizagens e mudanças almejadas. A hipnose, é, talvez, o caminho mais curto para tornar-se dono de si mesmo.

Assine o Canal da Clínica Delphos e Pantrus no YouTube

You Might Also Like